alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







martedì 1 aprile 2008

POLÍTICOS ou, INVESTIMENTO A FUNDO PERDIDO

POLÍTICOS ou, INVESTIMENTO A FUNDO PERDIDO

por Pietro Nardella-Dellova





No ano passado vimos, meio que dopados, meio que narcotizados, meio que “tipo” abobalhados, mais de cem dias se perderem em função das extravagâncias de um senador nordestino que, não encontrando quem o ajudasse no pagamento de pensão alimentícia de uma Filha, havida em sessão solene de gabinete, socorreu-se de uma construtora que, graciosamente, atendeu-lhe à necessidade. Assentado sobre sua cadeira de presidente do congresso nacional, juntamente com todo o congresso nacional a seus pés, esbanjou eloqüência, sorrisos, entrevistas, discursos e furtou aos brasileiros (no sentido original da palavra) um semestre inteiro e, acima de tudo, com conversinhas de “casa do norte”.

Antes disso, nos últimos dois anos do primeiro mandato presidencial do Lula, assistimos, igualmente dopados, loucos, surdos, incapazes, zumbis, preocupados com a segunda divisão do time fiel, envoltos por um manto de empobrecimento intelectual, um manto de imprevisão e irresponsabilidade, às cenas tresloucadas de um barítono (então, bastante desafinado), em face de ministros desafinados, de publicitários “come-quieto”, portadores de um “trem” barulhento, diante de um Congresso que dança, canta e fala mal, muito mal!

Continuasse eu neste sentido de revisitação da história política brasileira chegaria, como chego, então, ao desembarque dos membros “dilacerados”, ofegantes, medrosos e acovardados da Coroa, inaugurando o período (que não terminou) da política pequena, rasteira, vil, covarde e, sobretudo, “tresloucada”.

Assim, neste ano, comemoram-se os duzentos anos da fuga “cinematográfica” de um grupo de aristocratas, com vestimentas de personagens imperiais, aos quais faltou talento, inteligência, sabedoria e coragem! Mas, seria injusto dizer que não contribuíram com a formação econômica, jurídica, social e política do Brasil. Contribuíram, sim, e de modo determinante, perpétuo. Criou-se, à partir de então, uma terra propícia para brasileiros (no sentido original e etimológico da palavra), vindos de todas as partes da Europa, assentando aqui seus negócios, a começar pelo Rio de Janeiro até concluir-se em Brasília. Abriram-se escolas de política vazia, de oradores burros e sem substância, de asnos vestidos à caráter e canalhas que proliferaram, sem chances para estatísticas!

Hoje, pela manhã, ouvia por uma rádio, enquanto seguia, a fim de ganhar meu pão justo, o repórter informando os valores pagos aos políticos (apenas federais), com gastos pessoais, hospedagem, viagens, roupas, moradia, salários, ajuda de custo etc. Números tão altos que sequer guardei e nem precisava, pois guardei mesmo que 119 pessoas morreram no Rio de Janeiro por conta da dengue. Esse número eu guardei!

E ouvi, na mesma rádio, que as Forças Armadas estão em luta no Rio de Janeiro. Contra o quê mesmo? Sim, contra o “mosquito da dengue”. Bah. Até as Forças Armadas são burras: o mosquito da dengue nasce, cria-se e se prolifera, enfim, na Praça dos Três Poderes!

No Rio, o serviço é para Funerária!

© do autor, 24 de Adar II, 5768 (31/3/2008)
- publicação autorizada para o Jornal "impresso" C. Café

Prof. Pietro Nardella Dellova, Mestre USP e PUC/SP. Mestre na Sinagoga Scuola - Casa Degli Spiriti. Professor de Direito. Coordenador do Curso de Direito.
*

4 commenti:

João Gilberto ha detto...

Até quando o Brasil será "O País da
Piada Pronta"? Quanto tempo precioso estamos perdendo...
Purtroppo!

Claudia ha detto...

Só uma palavra: "NOSSSSSSA" !!!!!!!!!!!!

Rav., que coragem!
Meus respeitos e admiração. O sr vai direto ao ponto,heim?
Gostei muito.
Abs
Claudia

Claudia ha detto...

Só uma palavra: "NOSSSSSSSA"!!!!!!!!!

Rav, que coragem!
Meus respeitos e admiração.
O sr vai direto ao ponto, heim?
Gostei muito.
Abs
Claudia

Ulisses de Aguiar Rocha ha detto...

A única coisa que tenho de certeza nesse momento é que tudo aquilo que o senhor nos ensinou e ensina a cada dia é o que devemos usar contra esse tipo de politicagem e picaretagem que se instalou em nosso país, desde o topo, passando pelos gabinetes com ar condicionado de pessoas que acreditam deter o poder do conhecimento, e, infelizmente chegando a pequenas e mesquinhas salas de aula repletas de "semi-deuses". Espero que possamos contribuir para uma melhora nesse local que chamamos de Pátria! Um abraço de gratidão por todo o ensinamento e pelo sábio texto. Ulisses.