alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







venerdì 29 maggio 2009

Da EXPERIÊNCIA POÉTICA ou, a mulher após os trinta anos


Da EXPERIÊNCIA POÉTICA ou, a mulher após os trinta anos

do Pietro Nardella-Dellova


Quem é esta que aparece como a alva do dia,
formosa como a lua, pura como o sol...?
(Cânticos de Sh’lomo)

Porque ela acontece onde quer que esteja, avança com a sensibilidade de quem já passou pelos assombramentos e desvarios e não quer perder seu dia, nem sua noite e nem sua alma nas gavetas e idiotices da sociedade. Ela observa com a sabedoria de quem vive para não confundir partituras, com ouvidos afinados no sopro poético. Essa mulher leva nos lábios a doçura e o conhecimento e o seu esmalte não é uma futilidade, mas a expressão dos dedos que desenham o encantamento humano, pleno e vivo!

Essa mulher que transita entre corredores da biblioteca, não como quem foge do enfrentamento de cada página, mas como quem volta agradecendo silenciosamente pelos mundos descobertos, porque ali ela reencontra os sábios e os poetas que iluminaram seus sonhos, abriram seus poros e apontaram uma direção. Essa mulher sabe de onde veio e onde quer estar!

Ela olha, ela se veste, ela se penteia, ela caminha e ela dança, sabendo que as meninas de seus olhos e os lábios de sua boca se dilatam e seu peito se ergue, porque esse é o seu corpo e sua alma. Então, ela se percebe superior, como quem deixa relacionamentos opressivos sob os pés. E ela vai, e ela voa, como quem deixa homens idiotas cultuando seus próprios órgãos, como quem conduz o mundo apenas pelo sussurro... Por isso mesmo, plena da virtude feminina e da experiência dialógica, da delícia poética, fortalecida pelas vozes e páginas iluminadas, completa dos sentidos descobertos, essa mulher, absoluta, abre suas asas ao sol.

Não como as aves que ciscam buscando vermes na lama nem como passarinhos de enfeite que se permitem, engaiolados, trocar liberdade por ração, enquanto satisfazem o ego pervertido de seus donos.

Não! A mulher após os trinta abre suas asas como águias que rasgam nuvens, sobrevoam mares e dominam o mundo apenas com um olhar preciso e um canto ameaçador. Como águia, essa mulher habita as rochas mais altas! E, apenas ao aparecimento da sombra de seu talhe voando, os ratos e cobras voltam para os seus buracos na terra e, ofegantes, os veadinhos correm desesperados pulando troncos e plásticos no mato!

8 de Tishrei, 5769, Véspera de Yom Kipur (7 ottobre 2008)

© copyright do autor (não reproduzir sem expressa autorização do autor)

© Pietro Nardella-Dellova. Mestre pela USP. Mestre pela PUC/SP. Pós-graduado em Direito Civil e em Literatura. Bacharel em Direito e Licenciado em Filosofia. Rav na Sinagoga Scuola. Membro da UBE. Autor dos livros AMO, NO PEITO e ADSUM. Advogado e Professor universitário.

Mais informações e textos: http://nardelladellova.blogspot.com/
Contato/Autorização: professordellova@libero.it

8 commenti:

cuca ha detto...

Minh'alma enche-se de alegria ao ler seus textos!!!

Obrigada.

Obrigada.

Obrigada.

Carine Würch

André ha detto...

Salve, meu querido Rav.
Não há como não se deleitar com este poema, maravilhoso, até para os mais rudes, como eu.
Shalom!
André

Oliveira Reis Steca ha detto...

Amado poeta,professor,amigo,rabino Dellova:

Lindíssima!Fonte de água cristalina que banhou a minha alma!
Mundo, ouça-me, nem tudo está perdido! Há um homem que reconhece a alama da mulher, mulher!

JÚLIA CARLA ha detto...

INACREDITÁVEL QUE HAJA UMA ALMA ASSIM COMO A SUA, CARO MESTRE-POETA!
PARABÉNS
JÚLIA

Anonimo ha detto...

Este texto inavade minha alma, e inunda meu ser.
Cheio de sentimentos Verdadeiros e profundos, de alguém que sabe ver as coisas em profundidade e com olhos limpos, muito além da superficialidade, enxerga todas as dimensões.
Suas palavras são como águas que nos arrastam e nos acariciam a alma com amor.
Freud não consegui saber o que as mulheres pensam.
Mas , você sabe.

Obrigada.

Grande abraço.

Maria Thereza ha detto...

Ahhhhhh...professor que declaração mais bonita é essa!!!!!!
Agradeço como mulher depois dos trinta e e invaideço-me como Mulher que sou e continuo sendo!
Simplesmente Fantastico seu texto e sensibilidade!
Muito obrigada por esta oportunidade....essa leitura nos eleva ao ponto de "Venci" como "faço bem meu papel de Ser Humano"
Ahhhhh...é simplesmente a Gloria!!!
Parabénsss!!!!

Julliete ha detto...

Lendo tua poesia e teus textos, e lendo, também, o que escrevem a teu respeito, vendo o teu sorriso nessa foto e este brilho de quem está em paz consigo mesmo, delineado pela delicadeza da imagem do teu rosto, com esses cabelos revoltos e esse jeito de quem subiu aos céus buscando estrelas e de quem conhece bem os amores salomônicos, apenas posso dizer que és um Poeta e um Homem a quem qualquer mulher gostaria de ter perto, qualquer pessoa gostaria de ter em sua mesa e qualquer aluno gostaria de ter como Mestre.
Beijossss

Leila Mutton ha detto...

Ah!!! Que cutt, cutt!!!
O texto, não lembro...
Mas o rostinho linnnnndooo desse
Príncipe é inesquecível...