alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







sabato 27 dicembre 2008

MIKÊTZ (a Parashá de Chanuká 5769)


PARASHÁ MIKÊTZ, A RECUPERAÇAO DE YOSEF BEN YA'AKOV

Por Rav Pietro Nardella-Dellova



Prezados chaverim v`chaverot: Shalom Alechem.

Neste Shabat (30 Kislev, 5769 - 27/12/2008) nossa Parashá é MIKÊTZ. Trata-se da Parashá de "recuperação" de Yosef Ben Ya'akov. Após experimentar um amor ilimitado de seu pai, Ya'akov avinu, o jovem Yosef invaidece e passa a praticar o lashom hará contra seus irmãos.

Tal é o lashom hará que seus irmãos passam a odiá-lo de modo tal que não podem mais sequer conversar com ele. O mesmo é lançado em um poço, vendido aos ismaelitas, feito escravo no Egito e, finalmente, aprisionado (vítima de lashom hará da mulher de Potifar).

Descido ao extremo da decadência, Yosef, agora, consciente de seu estado e de sua vida, utilizada os dons que possui para a prática do bem. Revela o sentido dos sonhos de várias pessoas e, por último, traduz um sonho do Faraó do Egito. Ao mesmo tempo que traduz o sonho, antecipando tempos de vacas magras e carestia de itens alimentares, desenvolve e utiliza um talento logístico, de gestão e administração egípcia. Torna-se um poderoso homem no Egito. E, no tempo em que a fome a carestia se verificam, seus irmãos se dirigem ao Egito e, após alguns fatos, reencontram Yosef amadurecido e o mesmo os reencontra crescidos e transformados em homens de bem.

Yosef Ben Ya'akov é a representação dos judeus na Galut (o poço, a coisificação, a servidão e o aprisionamento). Por isso mesmo, devemos utilizar os talentos e conhecimentos que temos, bem como, desenvolver e aplicar outros, sobretudo, os de gestão e administração. Simultaneamente, é importante desenvovermos um caráter amadurecido e praticarmos "atos de bondade", tanto para os estranhos, como e, sobretudo, para nossos irmãos.

Em síntese, podemos dizer que a arrogância, o lashom hará, a perversidade, a opressão e a incompreensão nos levam, sistemática e inevitavelmente, ao POÇO, à COISIFICAÇÃO, à SERVIDÃO e ao APRISIONAMENTO. Moral: O caminho que percorremos para a queda, para a decadência e para a fragilização é, necessariamente, o mesmo que devemos percorrer (de volta) para a reabilitação, reconstrução e restauração das relações de afetividade.

Nas Bênçãos, Chanuká de 5769 (Rosh Chodesh)

Rav Nardella-Dellova, Pietro

1 commento:

Ricardo Nespoli ha detto...

Caro Rav,
a tua vinda a minha cidade é fruto da misericórdia de HASHEM.