alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







martedì 19 ottobre 2010

Como adquirir o Livro A MORTE DO POETA NOS PENHASCOS E OUTROS MONÓLOGOS, 2009: veja aqui

Prezados amigos e amigas, Salve!!!
O Livro
aMoRteDoPoEtA
nOs
penHaScos
EoUtros
dialogos
MoNoLoGos,
Ed. Scortecci, 2009,

está disponível da seguinte forma:

1) Pela Livraria Cultura (em qualquer lugar): www.livrariacultura.com.br/


2) Na Marcucci Livros, com entrega direta – fone: (019) 35796844,
e-mail: marcuccilivros@terra.com.br

3) Na Galpão Livros (Barão Geraldo/Unicamp): Rua Francisco de Barros Filho, 16 – Barão Geraldo, Campinas, SP – fone: (019) 3289.2044 -
e-mail: galpaolivros@terra.com.br

4) Na Livraria Asabeça (virtual e São Paulo): http://www.asabeça.com.br/
Rua Dep. Lacerda Franco, 187 – Pinheiros, SP – fone: (011) 3031.3956 ou

O apoio dos amigos tem sido determinante para este projeto e
conto, ainda, com todos, na aquisição e na divulgação do livro.


com o apreço de sempre


Pietro Nardella-Dellova

7 commenti:

AMILE ha detto...

PROFESSOR GRANDE ABRAÇO SHALOM!
OBRIGADA ENVIAR SEU BLOG, D'US SEJA CONTIGO SEMPRE, SEJA SUA LUZ E FELICIDADE!
AMILE.

AMILE ha detto...

PROFESSOR GRANDE ABRAÇO SHALOM!
OBRIGADA ENVIAR SEU BLOG, D'US SEJA CONTIGO SEMPRE, SEJA SUA LUZ E FELICIDADE!
AMILE.

Mirian Baller ha detto...

Estive no lançamento dos dois primeiros livros do Poeta Pietro Nardella-Dellova.
Li completamente e milhares de vezes rsrs o primeiro livro AMO (89) e, idem, o segundo NO PEITO HÁ UMA PORTA QUE SE ABRE (89).
Infelizmente, não pude adquirir o livro ADSUM (92) nem FIO DE ARIADNE (94) pois estava fora quando foram lançados.
E, agora, tenho o novo livro A MORTE DO POETA NOS PENHASCOS E OUTROS MONOLOGOS (2009).

A experiência da leitura de seus livros, e dos seus textos no Blog Café & Direito, é singular. Nos seus textos ele nos instiga a pensar por outros ângulos, a ver por outros ângulos e, ao final, é difícil que não obtenhamos novos pontos de vista ou mesmo que reconsideremos os nossos próprios paradigmas... A forma como vai trazendo informações e a maneira como trabalha determinados temas difíceis, como o AMOR e a RELIGIÃO, as RELAÇÕES INTERPESSOAIS e a VIDA...enfim, difícil que não nos cause um impacto positivo!!!

Quanto aos seus livros e posso dizer apenas do AMO, NO PEITO HÁ UMA PORTA QUE SE ABRE e A MORTE DO POETA NOS PENHASCOS E OUTROS MONÓLOGOS, vejo que é leitura obrigatória. O primeiro livro é de uma singularidade poética sem limites, cada poesia vai criando um espaço de profundidade humana! O segundo livro me fez ver aspectos da vida social e política, pois diferente do primeiro, a temática mais forte é a relação social e política, as opressões sociais, enquanto que no primeiro é o Amor, quase que o culto à figura feminina que ele resgata de processos de coisificação...dando-lhe um espaço em sua poesia que dificilmente não encantaria a mais rude das mulheres.

E, por fim, A MORTE DO POETA NOS PENHASCOS E OUTROS MONÓLOGOS, é alguma coisa de mágico!!! A poesia e a prosa se encontram no mesmo livro, o movimento do livro é crescente, em torno de temas difíceis, a Poesia sustenta o escritor e lhe dá a certeza de que vence os MONSTROS!

É isso...Beijosssssss

Maciel Lastoria ha detto...

Não sou conhecedor de poesia e nem literatura, mas conheço gente, trabalho e mente brilhantes. Um abraço, Maciel Lastoria

Natasha ha detto...

"...pus a mão na água fria, muito fria,e tive a sensação de que o mundo não pode acabar. A Poesia salvará o mundo da perdição, a Poesia fará o cego enxergar e fará mulheres e homens melhores, sãos e humanos, mas, se a Poesia não salvar o mundo, ao menos, salvará a mim mesmo e já é bastante!..." (trecho da obra A MORTE DO POETA NOS PENHASCOS E OUTROS MONÓLOGOS, Ed. Scortecci, 2009, 312 pág, de Pietro Nardella-Dellova)
*

O dia 14 de março é o Dia Nacional da Poesia!

As moderadoras e moderadores da comunidade dedicada ao Poeta PIETRO NARDELLA-DELLOVA prestam-lhe uma homenagem, pois sabemos que, embora Mestre em tantas áreas, a sua Poesia nasceu primeiro! Por isso mesmo o chamamos carinhosamente de Mestre-Poeta!

Parabéns por toda obra poética produzida ao longo destes 20 anos (livros AMO, NO PEITO HÁ UMA PORTA QUE SE ABRE, ADSUM, FIO DE ARIADNE, A MORTE DO POETA NOS PENHASCOS E OUTROS MONÓLOGOS, Blog CAFÉ & DIREITO e mais...), além de todos os outros textos, sempre marcados pela Poesia, ainda que sejam textos em Prosa!

Parabéns pela Poesia e pelo Poeta!
Moderadores e Moderadoras
da comunidade PIETRO NARDELLA-DELLOVA

Isha Shiri ha detto...

Master Ben Obadiah,

I'm pleased to know your Blog. I read some stuff and found it interesting.

I wish you peace!

Hélcio Maciel França Madeira ha detto...

Uma, a de hoje, entre mil inspirações que o livro d´A Morte do Poeta nos Penhascos me proporciona:
Senha da conta, senha do cartão, senha do FGTS, senha da internet, senha do site do jornal, senha das milhas, senha da compra eletrônica, senha da secretária eletrônica, senha do celular, senha do ticket, senha do ingresso, senha de professor, senha do pedido na pública repartição do "Estado", senha do cofre, senha do e-mail, senha do imposto, senha da livraria, senha do cartão do supermercado, senha da TV, senha da TV a cabo, senha do quarto do hotel, senha do seguro, senha do elevador, senha do ticket eletrônico, senha até do "servidor" a quem subservia.
Senhas são todas para a mortificantes coisas.
Para a vida, não há senhas. Ela está aberta, aí mesmo: é o espaço, a praia, a selva, os campos, os céus, a praça, os animais, os vizinhos, os amigos, os olhos dos animais, os olhos dos amigos, o tu, o eu.
Estar ausente, distante e trancafiado por senhas, mais longe de todos, mais secreto, serviente aos alfanuméricos caracteres é esquecer-se de que o que importa é estar presente. A tantas senhas, Maestro Dellova apresentou-me uma CONTRA-SENHA de vitalidade e humanidade: "Boker Tov" (que assim translitero, provavelmente errado, aos meus ouvidos, ignorantes que são do oceano hebraico, que aos poucos o Poeta abre a todos nós). Entendi como auspicioso bom dia, de vida plena, de "pensaragir" poeticamente, livre, leve, solto. É belíssimo seu livro! Hélcio Maciel França Madeira.