alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







giovedì 29 marzo 2012

DIREITO DO BOTECO PARA O BOTECO


DIREITO DO BOTECO PARA O BOTECO

(...)
É preciso abrir valas para construir algum alicerce da sociedade crítica e consciente. Buracos profundos que não se fazem pela repetição de páginas sebosas, de um Direito estranho ao ser humano, de um sistema consagrado pela aristocracia ateniense e tardiamente romana e que, não importa a roupagem, aparece e se impõe sempre;

Então, vamos a fundo, com sulcos verticais, calando Homero e dando voz a Hesíodo, desnudando Themis e convidando Dikè ao café.

Voltemos aos arados dos agricultores para descobrir que ali o pão e o direito se constroem cotidianamente! Voltemos à foice, mas, desta vez, para destruirmos o trono e não simplesmente trocarmos a bunda que se assenta sobre ele. Bundas são sempre bundas, de qualquer cor e, uma vez acomodadas sobre o fino tecido dos tronos, tornam-se bundas opressivas e perversas.

Professores devem ser proibidos de usar terno e gravata. Suas mesas, destruídas e as lousas pregadas em todas as paredes. As carteiras devem ser espalhadas pela sala. Morte à sala-igreja jesuítica! Morte ao conceito do professor-sacerdote, missionário, curandeiro! Criemos a sala-oficina e o professor artesão, criativo, poeta, louco, alucinado, crítico, de língua solta. E, criemos, ainda, o aluno artesão, criativo, poeta, louco, alucinado, crítico, de língua solta. E todos em encontro dialógico! Morte ao desencontro retilíneo!

Morte ao conceito "resumo", "sinopse", "resumão" e outros materias de emburrecimento! Morte ao "processo de advocacialização" dos Cursos de Direito! Morte ao conceito aula-show! Morte ao conceito de aula "PowerPoint" com pó-de-arroz e cocô da madrugada! Morte ao "processo de fakerização" da Educação!

Alunos humanos, libertos, libertários! Professores humanos, libertos, libertários!

Aula de pátio, grama e, às vezes, cama. Direito cotidiano, do boteco, para o boteco!
(...)

Pietro Nardella-Dellova, in ENSINO JURÍDICO e EDUCAÇÃO JURÍDICA, trecho do texto para o Congresso Internacional de Direito Alternativo, Florianópolis, 2011.


* imagem acima da pintura de Gustav Courbet
*
*

Nessun commento: