alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







sabato 26 settembre 2015

DUAS COISAS, ALIÁS, TRÊS, SOBRE A LAVA-JATO (e uma conclusão rápida)

DUAS COISAS, ALIÁS, TRÊS, SOBRE A LAVA-JATO
e uma conclusão rápida

1. Repetindo o que eu já disse em outra ocasião: <<considerar a Lava-Jato, de Curitiba, parecida, igual ou, de algum modo, correspondente à Operação "Mani Pulite", da Itália, é infantilidade, pieguice, ignorância ou, quem sabe, um arroubo midiático, noveleiro e provinciano.>> Diria mais: é uma idiotice falocêntrica. A Operação Mani Pulite, na Itália, foi outra coisa, com outro foco e outra dimensão: Máfia e Estado. Não há máfia alguma no Estado brasileiro, exceto ratos e ratinhos que roubam queijos (e há baratas!). Incomparável e até desrespeitoso com as muitas vidas que foram ceifadas na Itália, tratar a Lava-Jato, digo, "Lava Roupa Suja em Casa" com a "Mani Pulite"

2. A Operação Lava Jato tem como foco os desvios na Petrobrás - não o Estado!

3. O STF, nesta semana, decidiu corretamente pelo desmembramento dos casos "enfiados" na Lava Jato, apenas fazendo valer algo que se chama "competência". "Competência" é algo que irrita os veículos midiáticos!

Conclusão (rápida):

Fosse a Lava-Jato alguma coisa de semelhante à "Mani Pulite", de início, vários envolvidos já teriam dormido (e sido silenciados) com formigas na boca. Ainda bem que o Brasil é uma democracia (corrupta, como qualquer outra democracia, mas uma democracia!). Ainda bem que o Brasil não precisa da "Mani Pulite", pois se precisasse seria um inferno que o liso Sérgio Moro (e seus seguidores), desconhecem. E, sobretudo, ainda bem que as coisas e instituições funcionam por aqui. É uma pena, entretanto, tanta infantilidade, tanto analfabetismo político e jurídico e, pior, tanto arroto de mortadela!

È un cazzo!

Pietro N-Dellova, 2015 

*
*

Nessun commento: