alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







lunedì 14 dicembre 2015

FIM DE FEIRA: 13/12/2015

FIM DE FEIRA: 13/12/2015 
Pietro N-Dellova

Acabou-se a "manifestação" disentérica deste domingo, com seus coloridos, cheiros e gemidos característicos. De todas, não restam dúvidas, foi a mais pífia e brochante. Por quê?

Talvez porque os debiloides que a conclamaram tenham finalmente se revelado idiotas. Talvez porque parte do povo brasileiro, sempre de boas intenções, tenha mais completamente descoberto que a "oposição" não passa de um retiro de zumbis, morféticos e canalhas, um conluio de estelionatários de vários partidos. Talvez porque tenham percebido que os diretamente responsáveis pela derrocada econômica não seja a Dilma, mas a Câmara dos Deputados, com suas pautas bombas e omissão quanto ao que se deve fazer. Talvez porque tenham descoberto, depois de um ano, que o governo Dilma merece muita crítica, mas os Deputados merecem o fuzilamento. Talvez porque todos estejam de saco cheio desse discurso vagabundo. Talvez porque tenham lido alguma coisa sobre Economia Internacional. Talvez porque tenham percebido que quem deve ser processado, está sendo; quem deve estar preso, já está. Talvez tenham descoberto que os três patetas que assinaram o pedido de 'impeachment" não servem como monitores em uma sala de aula de Direito,  muito menos como "doutrinadores" do universo jurídico (pois não o são). Talvez poque tenham ouvido os mesmos patetas (dois patetas e uma pateta) dizerem alguma coisa em público, e sentiram, como qualquer inteligência mediana pode sentir, que não são lá, no discurso e na substância, tão superiores assim à Dilma (em seus desastrosos discursos). E, sobretudo, talvez tenham descoberto que um governo, em Estado Democrático de Direito, deve ser criticado de forma proativa e, assim, sob críticas proativas, pode mudar seu rumo, ajustar as medidas, tomar direções mais inteligentes e implementar projetos duradouros, mas que, em estado de sufocamento, não resta a ela, governo, mais que gemer, resmungar e se defender, imobilizando a Administração. Enfim, há muitos porquês e muitas razões do fracasso desta "manifestação".  Não há  uma, nem duas, mas muitas razões.

Porém, para os comentaristas da Rede Globo, entre os quais, Merval Pereira, as razões "absolutas" são a proximidade do Natal e o marketing do governo federal. Como assim? 

Isso mesmo, uma razão à mais para não fazer coro com idiotas de plantão. Os comentários ofendem a inteligência de uma minhoca e, talvez, muitos tenham compreendido que tais comentários se dirigem a uma massa de bois, pois como bois as pessoas são consideradas (e resolveram não ser bois no dia de hoje!). Apenas hoje, Merval mentiu algumas vezes, entre as quais, dizendo que o Collor sofreu "impeachment". Collor não sofreu impeachment, Collor renunciou! E mais, foi inocentado pelo STF. Isto não foi dito...

Eu adoraria (ao lado de outros como eu), de fazer críticas ao plano econômico, às escolhas de ministros e a uma série de outros aspectos da Administração pública federal. Exatamente porque não sou petista (e, muito menos, sofro de uma doença, isto é, uma demência, chamada antipetismo). Mas, olho para um lado, e vejo ratos como Aécio, Paulinho da Força, Caiado, Agripino, Eduardo Cunha, Temer (e todas as bactérias parlamentares a eles ligadas) e, de outro, um governo frágil e indolente. Consigo propor algo para o frágil e indolente, mas não consigo conviver com os ratos e suas doenças respectivas! 

Quem sabe consigamos retomar a crítica de alto nível ao governo, afastar os ratos, dar espaço a uma oposição sadia e esclarecida e reforçar a tessitura constitucional e, a partir disso, apenas disso, recomeçar a construção de um país que, eu confesso - e reconheço, não merece ratos nem fragilidades! 

Em tempo. Apesar das brincadeiras, de modo algum alegra-me ver um povo, honesto e bom, como o brasileiro, sair às ruas e ser humilhado, ridicularizado e caricaturizado, como foram aqueles que hoje saíram às ruas. Não são eles que merecem o ácido e o cuspe da minha língua, mas a "oposição" que os droga, juntamente com os idiotas que promovem tais manifestações. Que viva, enfim, o povo brasileiro e redescubra seu caminho de desenvolvimento, alegria, música, hospitalidade. Que morram, sete vezes, todos os ratos!

© Pietro N-Dellova 

*
*

Nessun commento: