alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







mercoledì 27 gennaio 2016

FUNDAMENTALISTA


FUNDAMENTALISTA

por Pietro N-Dellova


Esta palavra remete aos islâmicos (ou islamistas)? Quando se fala em "fundamentalista" para logo se pensa no fulano com um Corão à mão, prestes a degolar alguém ou a se explodir? Sim, há muitos islamistas que são fundamentalistas, mas não todos!

Fundamentalista é qualquer um que, ligado ao seu "livro sagrado", insiste em dar a ele, todo ele, uma aplicação indiscutivelmente imediata. Em outras palavras, fundamentalista é qualquer um que, tendo sido apresentado a um texto religioso, defende sua aplicação irrestrita, acrítica, em qualquer setor da vida! Geralmente, o fundamentalista é ligada a alguma religião monoteísta e, por isso mesmo, pouco sensível à pluralidade das manifestações religiosas!

Mas, há, também, fundamentalistas judeus e cristãos - e não são poucos. Há, por exemplo, fundamentalistas judeus que, com uma restrita interpretação da Torá e do Tanach inteiro, são contra o Estado de Israel. Há outros que, ao contrário, são a favor, aliás, de um Estado apenas para judeus. Há fundamentalistas cristãos em suas variadas versões. Para muitos dos quais, a "Palavra" (referindo-se à Bíblia) é mesmo a "Palavra de Deus", indiscutível, inegável e de aplicação imediata. Sim, há judeus e cristãos fundamentalistas, mas não todos.

O fundamentalista não aceita, em hipótese alguma, discutir o texto, analisar o texto, interpretar o texto (nem tem capacidade intelectual para isso). O texto é o seu tudo! E, pior, todos os outros que não aplicam o texto ou, simples e democraticamente, desprezam-no, são "infiéis", "inimigos de Deus", "inimigos da obra de Deus no mundo" e, por isso mesmo, réus e condenados (a priori), dignos do inferno (preparado para o Diabo e seus anjos!).

Entretanto, há um sem-número de islâmicos, cristãos, judeus que, sim, são islâmicos, cristãos e judeus, mas, não fundamentalistas. Seguem suas práticas religiosas ou culturais sem que isso interfira na relação com o mundo,inclusive no mundo ateu! São pessoas "esclarecidas" (os fundamentalistas, ao contrário, consideram-se "iluminados"!).

Não são os islâmicos, judeus e cristãos que devem ser combatidos, mas os fundamentalistas, todos eles! Combatidos, não de modo fundamentalista. Combatidos com a Educação democrática e libertária. Combatidos com Hermenêutica crítica. Combatidos com Teoria Literária. Combatidos com História e Geografia. Combatidos, enfim, com inteligência. Por quê? Porque qualquer fundamentalista não sabe nada de democracia libertária, hermenêutica crítica, teoria literária, história, geografia e, além de agressivos, em nada são inteligentes!

Pietro N-Dellova

Formado em Filosofia e Direito. Especialista em Direito Civil e em Literatura. Mestre em Direito (USP) e em Ciências da Religião (PUC-SP). Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais (PPGSD-UFF). Membro do Gruppo Martin Buber para o Diálogo no Oriente Médio. Professor de Direito, Literatura e Direitos Humanos.

*
*

Nessun commento: