alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







sabato 13 febbraio 2016

PRISÕES: A BARBÁRIE CONTEMPORÂNEA


PRISÕES

O absolutamente perverso e iníquo defende a pena de prisão, não porque queira justiça, mas porque ela é, com outro nome, eufêmico, a pena de morte - e todo perverso e iníquo excita-se irresistivelmente diante da pena de morte e de sua execução. Aliás, quanto mais lenta a morte, melhor!

Por outro lado, o estúpido, que não é perverso, por ter um conhecimento raso, repete, osmoticamente, a mesma defesa da pena de prisão. Não é perverso nem iníquo, apenas estúpido, o estúpido que se posiciona diante da forca e do apedrejamento e lambe o sangue que lhe pinga sobre o rosto!

Eu, que sou contra a pena de morte, a despeito destes cérebros impermeáveis que a defendem, por perversidade, iniquidade ou estupidez (e que são a maioria), sou contra, absolutamente contra a pena de prisão, porque não aprendi a ser perverso, iníquo nem, muito menos, estúpido! Tenho suficiente cérebro e alma para pensar, alternativamente, o que fazer diante da violência!

© Pietro N-Dellova

___________________________
obs.:

leia e acompanhe a série especial "Prisões - a Barbárie Contemporânea", da Revista LE MONDE DIPLOMATIQUE - BRASIL, a partir da edição de Novemobro de 2015.
___________________________


Nessun commento: