alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







sabato 23 aprile 2016

ENDEREÇO DO FASCISMO, DO NAZISMO, DOS NAZISTAS E MILHÕES DE BOLSONAROS

ENDEREÇO
DO FASCISMO, DO NAZISMO, DOS NAZISTAS E DOS MILHÕES DE BOLSONAROS
Pietro Nardella-Dellova
Muitas pessoas pensam que o Fascismo reduz-se à imagem de um babaca, Mussolini, marchando sobre Roma. Pensam, ainda, que o Nazismo reduz-se à imagem de outro babaca, Hitler, espumando e berrando, ou, que o Autoritarismo (comunista) Estatal é a expressão de Joseph Stalin, o assassino! Outros, mais abaixo da linha do Equador, acham que Ditadura é o que se vê na imagem do João Figueiredo, Geisel ou Castelo Branco. Veem assim porque são, ou desinformados ou estúpidos convictos e, em qualquer hipótese, incapazes de discernir.
O Fascismo, o Nazismo, o Autoritarismo, a Ditadura (e qualquer outra forma de opressão e extermínio) têm desenvolvimento progressivo, lançando raízes por todos os lados e instituições, decisões, sentenças, acórdãos, votos, leis (não leis), gizes, corredores, restaurantes, pátios, cantinas, cafés, bares, bancos, avenidas, e, de quando em quando, encontram uma figura na qual se projetam, porque há entre a figura e esses estados psicóticos uma estreita relação de comunhão. Porém, morto Mussolini, Hitler, Stalin, os Militares Ditadores - e outros, é minimamente infantil pensar que o Fascismo, Nazismo, Autoritarismo e Ditadura desaparecem e com eles são enterrados!
Fascismo, Nazismo, Autoritarismo e Ditadura são, em mistura perigosa, características comuns ao Brasil que não é, ou é muito fragilmente, uma Democracia. Por isso mesmo, por haver uma Democracia tão frágil (ou não haver Democracia alguma), nos últimos meses o que tem de mais forte no corpo e alma do Brasil: fascistas, nazistas, autoritários e opressores, vai criando musculatura e língua, vai ganhando microfones e jornais, despertando o pior e o mais destrutivo à espera, apenas à espera, de um novo babaca que espume e tenha alguma autoridade e faça dela o autoritarismo.
O Fascismo, o Nazismo, o Autoritarismo e a Ditadura, moram onde sempre moraram: na sociedade e na casa ao lado!
Tirar a remela dos olhos, abrir os ouvidos, começar a ver e a escutar, observar atentamente e ter capacidade de discernimento e, então, como que surpreendentemente, se começará a ouvir o ruído dos coturnos, o grito, o berro, a intolerância, a discriminação, o racismo, o machismo, o estampido dos tiros, a arrogância, os julgamentos de exceção, as condenações aleatórias, as prisões inconstitucionais, as perseguições, os linchamentos (todas características dos estados psicóticos fascistas, nazistas, autoritários e ditatoriais) e, finalmente (embora com atraso), verá, rasgada sobre as vias públicas, a única coisa que poderia dar noção e garantia de cidadania: a Constituição Federal de 1988.
PERGUNTO, AGORA: O BOLSONARO É PERIGOSO?
O Bolsonaro não me preocupa - em nada!
O que me preocupa é saber que existem milhões que se fazem representar pelo Bolsonaro, bem como outros milhões que não veem a diferença entre o que Bolsonaro defende abertamente e um cuspe (na cara do Bolsonaro)!
Eu, particularmente, não tenho que conviver com o Bolsonaro - nem com quem nele cuspiu; mas tenho, cotidianamente, de conviver com quem defende as ideias do Bolsonaro, com quem defende as bandeiras do Bolsonaro e, não obstante, acha muito "absurdo" que cuspam no Bolsonaro, não discernindo uma coisa de outra.
Não foi Hitler (sozinho) quem exterminou seis milhões de judeus e mais dez milhões de poloneses, ciganos, homossexuais, deficientes, Testemunhas de Jeová - foram os milhões de nazistas os quais Hitler representava. O pior do nazismo morava na casa ao lado, frequentava as mesmas universidades e comprava nos mesmos mercados. O pior do nazismo tinha filhos, para os quais ensinava-se o nazismo e que brincavam com os filhos de não nazistas - judeus, por exemplo.
© Pietro Nardella-Dellova

*
*
___________________________________
NOTA NECESSÁRIA POR CONTA DA IGNORÂNCIA
Se algum ignorante ler acima que estou absolvendo Hitler faz não mais do que comprovar a própria ignorância.
Hitler foi o que foi e fez o que fez.
O texto acima fala de nazismos e antissemitismos populares. Qualquer um que saiba ler uma frase mínima (sujeito, verbo e predicado) e que tenha ao menos noção do que foi a Alemanha nas décadas anteriores à II Guerra Mundial, sabe que Hitler não teve muito trabalho: bastou aparecer, falar e arrebanhar o que já estava preparado. Freud, com maestria, explica isso "Do Antissemitismo".
A questão não é apenas a ação de um agente do mal, mas o quanto a sociedade na qual atua está esperando o agente do mal. Qualquer um minimamente informado sabe disso.
Enfim, não houvesse uma Alemanha já de séculos antissemita, com a empáfia ariana, provavelmente Hitler não teria poder algum (sozinho). Teve-o pelo voto de milhões de nazistas e antissemitas, muitos dos quais nascidos antes de Hitler.
A mesma coisa se diga de Mussolini em face de uma Itália (do norte) fascista e com a empáfia"romana" na testa. Hitler e Mussolini serão sempre malditos, assim como malditos seus eleitores.
Acreditar que apareceu um dia um "fulano" chamado Hitler e saiu pelo mundo pregando seu nazismo e, pelo seu único poder, converteu os pobres inocentes, do dia para a noite, em nazistas, antissemitas e assassinos, é, no mínimo, imbecilidade e pensamento cocacolizado de "vilões e mocinhos", é pensamento raso maniqueísta. Para os tais, matando Hitler e Mussolini, o mundo ficaria livre de nazistas, antissemitas e fascistas! Isso é idiota!
O antissemitismo veio sendo preparado desde os primeiros cristãos e marcou a Idade Média inteira. A mesma coisa, o arianismo e outras perversões.
No caso do Bolsonaro, ele mesmo é um bosta em si, um bosta perigoso - é verdade, mas, perigoso porque seus defensores e eleitores são “aquilo” que está no cotidiano (são os que moram ao lado). O discurso de Bolsonaro merece repulsa e criminalização, com punição severa, não resta dúvida, assim como o discurso "vagabundo e perigoso" de quem não sabe AINDA a diferença entre um “cuspe” e a apologia da “ tortura e do torturador”, que não sabe a diferença entre uma Democracia e um Estado Ditatorial militar. E tudo indica, são milhões, espalhados no meio social e nessas redes sociais. Os tais podem duas coisas: eleger Bolsonaro, pois, de direito, ele foi eleito, e fazer, a cada dia, o que ele prega.
© Pietro Nardella Dellova

*
*

Nessun commento: