alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







venerdì 1 aprile 2016

O STF, HOJE, MAIS DIGNO (ausente, o Gilmar Mendes)

O STF, HOJE, MAIS DIGNO (ausente o Gilmar Mendes)
Hoje, o STF (ausente o Gilmar Mendes), restabeleceu a Dignidade do Tribunal e, como repercussão, a do Judiciário inteiro. De forma serena, técnica, constitucional (ausente o Gilmar Mendes), repreendeu o Sérgio Moro e seu comportamento "pouco" republicano e tresloucadamente partidário. Reprendeu-o, a ele Moro, sobretudo, por ter agido de forma a tripudiar, zombar, escarnecer, humilhar, desrespeitar e menosprezar, não apenas a competência originária do Supremo Tribunal Federal, mas a própria Constituição Federal.
Segundo o STF, hoje, (ausente o Gilmar Mendes), não há espaço para a grita da massa tresloucada às suas portas. O STF, segundo o STF (ausente o Gilmar Mendes), deve respeito apenas à Constituição Federal.
Entrementes, o STF honrou (ausente o Gilmar Mendes), o Ministro Teori Albino Zavascki, sua história, ponderações e decisões, tudo, conforme a melhor e mais assentada e robusta Jurisprudência do próprio STF (ausente o Gilmar Mendes!)
Com a decisão e os louváveis votos (lógico, ausente o Gilmar Mendes), o STF acendeu algumas luzes e deu um sentido à Democracia. Com este STF (ausente o Gilmar Mendes) a Democracia e o Estado Democrático de Direito têm futuro na República Federativa do Brasil.
NOTA ÚNICA
Não restam dúvidas, sobretudo após os votos dos Ministros do STF, de que Sérgio Moro cometeu um crime ao divulgar falas da Presidência da República, incentivado pelo PSDB. Por outro lado, a Operação Lava Jato é muito importante para o Brasil, deve ser protegida e respeitada (se, e apenas se, ausente o Sérgio Moro, pois, o pior inimigo da Lava Jato, hoje, é, parece bastante claro, o próprio Sérgio Moro!).
© Pietro Nardella Dellova

*
*

Nessun commento: