alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







domenica 4 settembre 2016

O BRASIL DE 2016 (Impeachment, Temer e Manifestações nas Ruas)

O BRASIL DE 2016
por Pietro Nardella-Dellova
O problema não é alguém se opor à Dilma e exigir o fim de seu Mandato. O problema não foi manifestantes terem ido às ruas pedindo o impeachment por considerarem isso legítimo e "legal". O problema não é o posicionamento político de cada um...
O problema é que há outros tantos que a apoiam e querem (ou quiseram) a manutenção de seu Mandato (até o fim!). O problema é que outros milhares foram (e, agora, novamente estão indo) às ruas para contrapor-se ao impeachment e considerá-lo um golpe e uma ruptura democrática, bem como uma violência contra a constituição. O problema é que há posicionamentos políticos diversos (e não um só!).
O problema, agora, é que manifestantes tomam as ruas e nela estão encontrando a polícia militar (nos Estados governados por PMDB e PSDB). O problema é que Temer não sabe lidar com a Democracia e, finalmente, o problema é que os que julgam ter havido um golpe, uma sabotagem e uma violência contra a Constituição, têm mais criticidade e visão política esclarecida, muito mais que os que pediram o impeachment. Isso é notório! O problema é que tomam - e tomarão ainda mais, as ruas - e haverá violência, sangue e morte!
Eleições imediatas - e gerais, seriam a única garantia, hoje, para a pacificação social. De qualquer modo, Temer não ficará até 2018 - por bem ou por mal!
A população brasileira pode não gostar de Dilma e ter nojo da corrupção, sabemos disso; mas, em sua grande maioria odeia a antidemocracia e o fascismo: Dilma e o PT foram relacionados às corrupção, mas Temer, o PMDB e o PSDB, são relacionados à fascistização e à ruptura com a Democracia. O Brasil de 2016 não é o mesmo idiotizado de 1964!
Nota satírica (mas, nem tanto) I:
- não é preciso ser inteligente, gostar ou não de Dilma, ser de direita ou de esquerda, conhecer ou não o Direito, é preciso apenas ter um pouco de cérebro em funcionamento, para saber, com certeza, que o Brasil está pegando fogo e que, na resposta violenta dos governos do PMDB e PSDB, a convulsão social será irreversível. Temer terá sorte se não fizerem com ele o que os italianos fizeram com Mussolini!
Nota realista II:
- o melhor, no presente caso, seria (eu disse: seria) a Democracia e manutenção integral da Constituição Federal.
Pietro Nardella Dellova

*
*

Nessun commento: