alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







domenica 28 maggio 2017

DÓRIA, AS DROGAS E A BOA DECISÃO DO TJSP

DÓRIA, AS DROGAS 
E A BOA DECISÃO DO TJSP
(por Pietro N-Dellova)

O TJSP - Tribunal de Justiça de São Paulo corrigiu rapidamente a decisão proferida em Primeira Instância, que autorizava a Prefeitura de São Paulo a impor abordagem e condução coercitiva aos usuários de drogas.

Não importa qual seja a intenção de João Dória, pois nesse post é o seu comportamento que consideramos. Ao enviar 900 Policiais contra usuários, sem qualquer acompanhamento de profissionais habilitados (que não são os Policiais obviamente!), destruir prédios sem autorização judicial e tratar a questão "drogas" como caso de Polícia (o que até mesmo a ONU considera atrasado e sem fundamento), o Prefeito (de poucas luzes intelectuais e muitas midiáticas) demonstrou ser um autoritário e desconhecedor do problema "drogas". Dória tem precária informação, aliás informação superada que vem - e termina, nos anos 70!

Drogas é um problema grave, seus efeitos são destrutivos e a sociedade é atingida diretamente com tal situação. Mas, esse problema exige agentes competentes - e Dória não tem qualquer condição de tratar do problema (pois "drogas" não podem fazer parte, como ele quer, de filminhos eleitoreiros) e, por desgraça, demonstrou sua incompetência, sem qualquer pudor, ao enviar Policiais ao encontro de usuários sem a presença de Profissionais da Saúde.

Por fim, a boa Decisão do TJSP não é definitiva - e esperamos que logo seja, haja vista que entregar nas mãos de um Prefeito despreparado o poder de abordar e conduzir pessoas usuárias de drogas coercitivamente, é um aspecto de Administração autoritária e, nesse caso, autoritária e midiática. De qualquer modo, esperamos que o TJSP confirme a Decisão de seu Desembargador e mantenha o caráter que historicamente o distingue: seriedade, juridicidade e inegociável apreço pelos Direitos Humanos.

(Pietro N-Dellova)


*
*

Nessun commento: